Textos & Imagens 52


Seleção da coleção de estampas doadas à Cinemateca em 2011 por J. M. Rufino Lopes.

Films Selectos foi uma revista semanal espanhola fundada e dirigida em Barcelona por Tomás Gutiérrez-Larraya cuja publicação, iniciada a 4 de outubro de 1930, se estende até 1937 (então com direção de J. Esteve Quintana, desde outubro de 1936), num total de 328 números publicados[1].

Entre as secções mais populares deste semanário ilustrado, destacam-se o “Álbum” (em que se publicavam fotografias dos artistas mais populares), “De unos a otros” (que incluía perguntas e respostas enviadas pelos leitores), “Opinamos que…” (dedicada às críticas dos filmes estreados), “El cine y la moda” (onde se mostravam as tendências ditadas por atores e atrizes) e “Vuestra belleza” (supostamente, dicas de beleza das estrelas de cinema). Cada número da revista incluía também um “suplemento artístico”, estampa destacável de uma fotografia de cena ou de estúdio colorizada que, como era dito nos anúncios da própria revista, era “emoldurável”, o que mais uma vez reflete o contributo dos periódicos especializados para a sedimentação da cinefilia na sociedade contemporânea.

Se à primeira vista Films Selectos é uma típica revista de divulgação do universo cinematográfico, onde inevitavelmente predominam as estrelas de Hollywood, pelas suas páginas passa também algum debate, nomeadamente na seção de entrevistas a personalidades espanholas de diferentes áreas intitulada “La polémica del cine” que, como afirma J.M. del Pino[2], “serve como amostra para compreender melhor as controvérsias que a consolidação do cinema como nova arte causou entre os seus defensores e detratores”.

Mantendo o desígnio de “semanário cinematografico ilustrado”, a sua periodicidade torna-se irregular com o início da Guerra Civil Espanhola em 1936, embora nesse ano ainda sejam publicados 39 números. Não sobreviveria, contudo, muito mais tempo, e a publicação termina no ano seguinte, com o número 328 (erradamente grafado “327”), depois de um editorial no nº 326 em que, indiretamente, fazia já soar o alarme. Nele, a revista refere que, em desacordo com as atuações do Comité Economico de Cines[3], as companhias americanas se negavam a enviar novas películas para Espanha, comprometendo assim a nova temporada de exibição cinematográfica. Para uma revista com as suas características, extremamente dependente dos departamentos de publicidade dessas mesmas companhias[4], tal “embargo” significava o fim.

Teresa Borges


[1] A quase totalidade dos números publicados (268 de 328) da revista encontra-se acessível em formato PDF no repositório da Filmoteca de Catalunya (https://repositori.filmoteca.cat/handle/11091/9764).
[2] J.M. del Pino, “Hacia un Nuevo Arte: “La Polémica del Cine” en Films Selectos (1930-1931)”. In La Nueva Literatura Hispánica, 1 (1997).
[3] Organização anarcossindicalista criada em Barcelona em 1936.
[4] Veja-se, a este propósito, os diversos textos de José Gomes Ferreira sobre os bastidores da revista Imagem (contemporânea de Films Selectos) que revelam tanto os custos das gravuras como a origem dos textos apresentados como biográficos, etc.


Scroll to Top