Histórias do Cinema: Naum Kleiman / Sergei M. Eisenstein


Depois de ter sido considerado durante mais de meio século como um génio, comparável a Leonardo da Vinci e Shakespeare, Sergei M. Eisenstein conheceu um período de relativo purgatório nos anos oitenta, antes de voltar ao seu devido lugar, que é entre os primeiríssimos. Cineasta duplamente de vanguarda nos anos vinte – do ponto de vista estético e do ponto de vista político – como todo os principais realizadores do grande cinema mudo soviético, Eisenstein conheceu dificuldades constantes com o regime entre o início dos anos trinta e a sua morte, em 1948.
Naum Kleiman é o mais célebre especialista mundial da obra de Eiseinstein. Formado em história de cinema pela VGIK, a mais antiga escola de cinema no mundo, Kleiman colaborou, nos anos sessenta, na sua qualidade de historiador e crítico, no restauro de várias obras de Eisenstein: “O PRADO DE BÉJINE”, A LINHA GERAL, OUTUBRO e O COURAÇADO POTEMKINE. Cofundador do Museu Eisenstein em Moscovo, que dirigiu durante muitos anos, organizou a edição, em seis volumes, dos escritos de Eisenstein, além de escrever diversos artigos e ensaios sobre a sua obra, publicados em vários países do mundo. Naum Kleiman foi também diretor do Museu de Cinema (Museikino) de Moscovo, do qual foi afastado por pressões políticas em 2015, no curso de um processo que suscitou uma onda internacional de protestos.
Por uma curiosa coincidência (não houve nenhuma premeditação), esta série de sessões-conferência coincidiu com o nonagésimo aniversário da distribuição de O COURAÇADO POTEMKINE na União Soviética (19 de janeiro) e com o centésimo décimo-oitavo aniversário de nascimento de Eisenstein (22 de janeiro). Naum Kleiman dividiu as cinco sessões-conferências em três capítulos: “A Trilogia Revolucionária”, com as três grandes obras-primas dos anos vinte: A GREVE, O COURAÇADO POTEMKINE e OUTUBRO; “Eisenstein Inacabado”, com quatro projetos gorados do realizador, alguns dos quais foram interrompidos e outros nem sequer foram levados adiante; e “Ivan, o Terrível”, a sua última obra-prima cuja segunda parte foi proibida e só foi revelada ao mundo dez anos depois da morte de Eisenstein.


Histórias do Cinema: Naum Kleiman / Sergei M. Eisenstein | sessão-conferência de 18 de janeiro de 2016
sobre o filme STATCHKA / A GREVE

Para ativar as legendas em português, vá a “CC (escolher closed captions)” no rodapé inferior do reprodutor de vídeo e selecione a opção pretendida.   

Moderação: José Manuel Costa

STATCHKA
Greve
de Sergei M. Eisenstein
com I. Kliuvin, Alexandr Antonov, I. Ivanov
URSS, 1924 – 80 min / mudo, intertítulos em russo, legendados em francês | M/12
A primeira longa-metragem de Eisenstein encena uma greve numa fábrica russa no começo do século XX. Ao realizá-la, Eisenstein tinha atrás de si muita experiência em espetáculos teatrais vanguardistas do grupo Proletkult (“cultura proletária”) e estas experiências marcam o filme, assim como as técnicas do grupo de cineastas da FEKS (“Fábrica do Ator Excêntrico”), de Leninegrado. Em GREVE, Eisenstein põe em prática as suas célebres ideias sobre a “montagem de atrações”, fazendo nascer ideias através da associação de planos e criando metáforas visuais. Um dos grandes clássicos de sempre.


Histórias do Cinema: Naum Kleiman / Sergei M. Eisenstein | sessão-conferência de 19 de janeiro de 2016
sobre o filme BRONENOSETS POTIOMNKIN / O COURAÇADO POTEMKINE

Para ativar as legendas em português, vá a “CC (escolher closed captions)” no rodapé inferior do reprodutor de vídeo e selecione a opção pretendida. 

Moderação: José Manuel Costa

BRONENOSETS POTIOMKINE
O Couraçado Potemkine
de Sergei M. Eisenstein
com Aleksander Antonov, Grigori Alexandrov, Vladimir Barsky
URSS, 1925 ¬– 74 min
Na primeira metade dos anos vinte, a União Soviética conheceu um extraordinário florescimento artístico, em todos os domínios, com obras duplamente de vanguarda: do ponto de vista formal e do ponto de vista político. O COURAÇADO POTEMKINE é, sem dúvida, a mais célebre destas obras e um dos filmes mais famosos de toda a História do Cinema. Pondo em prática as suas teorias sobre a montagem, elemento fundamental do cinema de vanguarda, Eisenstein fez deste filme de encomenda sobre a Revolução de 1905 um momento absolutamente eletrizante, com a mais célebre sequência da história do cinema: o massacre na escadaria de Odessa.


Histórias do Cinema: Naum Kleiman / Sergei M. Eisenstein | sessão-conferência de 20 de janeiro de 2016
sobre o filme OKTIABR / OUTUBRO

Para ativar as legendas em português, vá a “CC (escolher closed captions)” no rodapé inferior do reprodutor de vídeo e selecione a opção pretendida.

Moderação: Antonio Rodrigues

OKTIABR
Outubro
de Sergei Eisenstein
com Vassili Nikandrov, Nikolai Boris Lianov,
URSS, 1927 – 103 min
Realizado dois anos depois de O COURAÇADO POTEMKINE, OUTUBRO foi uma encomenda oficial para o décimo aniversário da Revolução Bolchevique e marca o começo do fim do estado de graça de Eisenstein junto às autoridades soviéticas, o que prenunciava o fim do grande cinema revolucionário soviético. Substituindo a “montagem de atrações” de POTEMKINE pela “montagem intelectual”, numa tentativa de veicular ideias abstratas através de imagens, OUTUBRO é o filme mais “experimental” de Eisenstein e marca o apogeu da convergência entre vanguarda formal e vanguarda política, durante o breve período em que ambas foram inseparáveis na URSS.


Histórias do Cinema: Naum Kleiman / Sergei M. Eisenstein | sessão-conferência de 21 de janeiro de 2016
sobre BEZHINE LOVJ, QUE VIVA MEXICO! (trechos), BOLCHOI FERGANSKII KANAL (diapositivos), LIUBOV’ POETA (PUSHKIN) (diapositivos)

Para ativar as legendas em português, vá a “CC (escolher closed captions)” no rodapé inferior do reprodutor de vídeo e selecione a opção pretendida.

Moderação: José Manuel Costa

BEZHINE LOVJ
“O Prado de Bejine”
QUE VIVA MEXICO! (trechos)
BOLCHOI FERGANSKII KANAL
“O Grande Canal de Fergana” (diapositivos)
LIUBOV’ POETA (PUSHKIN)
“Os Amores do Poeta/Puchkine” (diapositivos)
de Sergei M. Eisenstein
URSS, 1935, 1931, 1939, 1940
Um programa que aborda quatro obras inacabadas de Eisenstein. Depois de regressar do México em 1932, Eisenstein foi objeto de críticas cada vez mais violentas e frontais, que tiveram, consequências diretas sobre o seu trabalho. Rodado entre maio de 1935 e abril de 1936, “O PRADO DE BÉJINE” foi interrompido devido a problemas de saúde do realizador, então violentamente atacado pelas autoridades. Foi iniciada uma segunda versão, mas o filme foi definitivamente suspenso em 1937 e quase todo o seu material destruído. QUE VIVA MEXICO! foi o fruto de uma malograda odisseia que durou quase três anos: Eisenstein embarcou na aventura de um filme no México, para o qual rodou muito material, mas que não concluiu. O filme foi-lhe retirado das mãos pelo produtor independente americano e Eisenstein nunca pôde montar nem um metro do que havia filmado. BOLCHOI FERGANSKII KANAL nasceu em 1939, mas o projeto foi interrompido devido ao início da guerra ao passo que LIUBOV’ POETA foi o primeiro projeto a cores de Eisenstein. Destes dois últimos filmes, veremos uma série de imagens fixas.


Histórias do Cinema: Naum Kleiman / Sergei M. Eisenstein |sessão-conferência de 22 de janeiro de 2016
sobre o filme IVAN GROZNY / IVAN, O TERRÍVEL

Para ativar as legendas em português, vá a “CC (escolher closed captions)” no rodapé inferior do reprodutor de vídeo e selecione a opção pretendida.

Moderação: José Manuel Costa

IVAN GROZNY
Ivan, o Terrível
de Sergei M. Eisenstein (excertos)
URSS, 1942-47
com Nikolai Tcherkassov, Serafina Birman, Ludmilla Tselikovskaya
URSS, 1943-45 – 93 min (duração total aproximada dos excertos a apresentar)
A última sessão-conferência desta série de cinco com Naum Kleiman é dedicada ao último filme de Eisenstein, IVAN O TERRÍVEL, que conheceu várias vicissitudes: a primeira parte do filme, estreada em janeiro de 1945, valeu a Eisenstein o Prémio Estaline. Pronta um ano depois, a segunda foi condenada pelo Comité Central do Partido Comunista, imediatamente proibida e só divulgada dez anos depois da morte do realizador, em 1958. Ainda assim, Eisenstein preparou a terceira parte do filme, para a qual teria obtido a autorização de Estaline, desde que “corrigisse os erros” da segunda parte. Nesta sessão pedagógica são mostradas uma sequência da primeira parte do filme, a totalidade da segunda, e uma raríssima sequência de quatro minutos e meio do que teria sido a terceira parte, intitulada STADEN.


Consulte as fichas detalhadas do programa.

Scroll to Top